Rover Perseverance confirma que a cratera Jezero foi um antigo lago em Marte

A NASA acertou em cheio ao escolher o local de pouso do rover Perseverance em Marte. Os pesquisadores utilizaram os dados das sondas que orbitam o planeta vermelho, como o Mars Reconnaissance Orbiter, para definir o local de pouso. Estes dados indicavam que na cratera Jezero havia um grande lago e um delta de rio no passado.

Imagens orbitais mostraram uma característica em forma de leque em Jezero que os pesquisadores interpretaram como um delta – um lugar onde um rio desaguava em um lago há cerca de 3,7 bilhões de anos, depositando sedimentos que poderiam abrigar evidências de antigos micróbios marcianos, se é que eles existiram algum dia.

A missão do rover Perseverance exige que ele cumpra duas tarefas muito importantes: procurar por sinais de vida passada em Marte e coletar e armazenar dezenas de amostras para um futuro retorno à Terra.

Um novo artigo da equipe cientifica do rover Perseverance detalha como o ciclo hidrológico do lago agora seco na cratera de Jezero é mais complicado e intrigante do que se pensava. As descobertas são baseadas em imagens detalhadas que o rover forneceu de encostas longas e íngremes chamadas de escarpas, ou escarpas no delta, que se formaram a partir de sedimentos acumulados na foz de um antigo rio que há muito alimentava o lago da cratera. 

Esta imagem de uma escarpa – uma encosta longa e íngreme – ao longo do delta da cratera Jezero de Marte, foi gerada usando dados do instrumento Mastcam-Z do rover Perseverance. 
A imagem inserida no topo é um close-up fornecido pelo RMI, que faz parte do instrumento SuperCam.
Créditos: NASA/JPL-Caltech /LANL/ CNES/CNRS/ASU/MSSS

As imagens feitas pelo Perseverance revelam que o delta do rio em forma de leque experimentou inundações que carregaram rochas e detritos das terras altas bem fora da cratera. Foram observadas rochas com até 1,5 m de largura, nas camadas superiores (mais jovens) do afloramento do delta principal de Jezero. Foi necessário um fluxo poderoso para transportar rochas tão grandes – provavelmente uma enchente que atingiu 3.000 m cúbicos de água por segundo.

Esses fluxos podem ter resultado de “ondas glaciais” ou inundações repentinas induzidas por chuvas, como as que ocorrem em algumas regiões desérticas da Terra hoje.

Kodiak

 A sudoeste do rover, e aproximadamente à mesma distância, encontra-se outro afloramento rochoso proeminente chamado “Kodiak”.

Esta imagem indica a localização do Perseverance rover da NASA (inferior direito), bem como o butte “Kodiak” (inferior esquerdo) e várias margens íngremes proeminentes conhecidas como escarpas ao longo do delta da Cratera de Jezero.
Créditos: NASA / JPL-Caltech / Universidade do Arizona / USGS

Antes da chegada de Perseverance, o Kodiak tinha sido fotografado apenas em órbita. Da superfície, as imagens Mastcam-Z e RMI do rover revelaram pela primeira vez a estratigrafia – a ordem e a posição das camadas de rocha, que fornecem informações sobre o tempo relativo dos depósitos geológicos – ao longo da face oriental do Kodiak. As camadas inclinadas e horizontais são o que um geólogo esperaria ver no delta de um rio na Terra.

Esta imagem de “Kodiak” – um remanescente do depósito em forma de leque de sedimentos dentro da cratera Jezero de Marte, conhecido como delta – foi obtida pelo instrumento Mastcam-Z do Perseverance em 22 de fevereiro de 2021.
Créditos: NASA / JPL-Caltech / ASU / MSSS

A equipe está ansiosa para fazer mais descobertas no futuro

O Perseverance acabará por dar uma olhada de perto na formação do delta, se tudo correr de acordo com o planejado. A equipe pretende conduzir o rover, que percorreu 2,61 km no solo de Jezero até o momento, até o afloramento do delta e coletar amostras. 

O Perseverance já coletou duas das várias dezenas de amostras planejadas, que serão transportadas para a Terra por uma campanha conjunta entre a NASA e a Agência Espacial Europeia, talvez já em 2031.

Mas por enquanto o Perseverance e os outros rovers marcianos da NASA estão temporariamente parados porque o Planeta Vermelho está do outro lado do Sol da Terra no momento, o que pode corromper comandos ligados a Marte na configuração planetária atual, então a NASA impôs um blecaute de comunicação de duas semanas que termina no dia 16 de outubro.

A imagem de um lago destacada nesta publicação é meramente ilustrativa.

Fontes: nasa.gov/space.com

2 comentários sobre “Rover Perseverance confirma que a cratera Jezero foi um antigo lago em Marte

Deixe uma resposta para DANIEL RIBEIRO JANSEN FERREIRA Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s